“Interferências” nos comboios e estações do Metro

 

O Metro e o “Interferências – Mostra de Arte Pública” juntam-se pela segunda vez para levar ao grande público trabalhos de arte contemporânea de seis artistas nacionais que, entre 5 e 23 de março, estarão disseminados pelos comboios e estações do rede Metro.

A mostra deste ano intitula-se “A Singularidade do Múltiplo – Parte II” e resulta de um trabalho que teve como ponto de partida a possibilidade de produzir uma série de múltiplos através dos processos de gravura e/ou serigrafia, explorando as singularidades de cada um por meio da intervenção direta ou indireta de cada desenho.


Carlos Farinha, João Pedo Silva, Marta Wengorovius, Martinha Maia, Sara Yan e Susana Gaudêncio
foram os artistas convidados por Teresa Carneiro – Comissária da exposição – para trabalhar esta ideia que, a partir de 5 de março, culmina numa mostra de trabalhos em circulação em 18 comboios do Metro e diversos ‘lugares perdidos’ na rede do Metro, designadamente:
 

Estação Campo Grande | 2 Floreiras | trabalho de Carlos Farinha;

Estação Anjos | loja central do átrio Norte | 2.ª a 6.ª das 6:30 às 21:30 | trabalho de  João Pedro Silva;

Estação Alvalade | Coluna no átrio Norte |  trabalho de Martinha Maia; 

Estação Praça de Espanha | molduras aos nível dos cais de embarque |trabalho de Sara Yan;

Estação Santa Apolónia | loja n.º 1 | trabalho de Susana Gaudêncio;

Estação Baixa-Chiado PT Bluestation | corredor de acesso | performance de Marta Wengorovius. A mostra contempla ainda uma performance na estação Baixa-Chiado PT Bluestation.
 

A Singularidade do Múltiplo é um evento integrado no Interferências – Mostra Pública de Arte, organizado pela Associação Número Arte e Cultura em parceria com o Espaços do Desenho e desenvolvido em co-produção com o Centro Português de Serigrafia, a Galeria Corrente d’Arte e o Metropolitano de Lisboa.