Arte
Restauradores

Restauradores

Nesta estação Maria Keil, num cromatismo em azul e lilás’ concebe uma padronagem com inspiração clássica, pontilhada, aqui e ali, por fortes contrastes em preto, azul e amarelo. De onde em onde, aparecem integrados de forma perfeita elementos típicos da azulejaria do século XVlll, as albarradas.

Em 1994, é instalada no átrio Sul uma obra do Mestre Luiz Ventura denominada “Brasil-Portugal: 500 anos – A Chegança”, que é a contrapartida da obra de Mestre David de Almeida “As vias da Água” e “As vias do Céu”, oferecida para a estação Conceição do Metro de São Paulo. Do ponto de vista da técnica utilizada salienta-se, a pintura a pincel, a corda seca em esmalte vitrificável sobre material cerâmico, bem como aplicações de cristal de Murano. A execução esteve a cargo de Delinea Cerâmica Artística, São Paulo, Brasil.

Nadir Afonso, pintor abstratizante de feição geométrica, criou seis painéis de azulejos para serem colocados ao longo dos cais da estação. Estes painéis são dedicados às cidades de Madrid, Paris, Londres, Nova Iorque, Rio de Janeiro e Moscovo. O artista pretende com esta obra “expressar, mediante representações simbólicas, uma homenagem de Lisboa às demais capitais metropolitanas.”.

Lagoa Henriques, escultor neofigurativo, concebeu para esta estação dois trabalhos: uma estátua em pedra de uma figura feminina e um painel em pedra gravada versando o tema da poesia, numa homenagem a grandes nomes da nossa cultura, António Boto, Mário de Sá Carneiro, Fernando Pessoa, Almada Negreiros, Cesário Verde e Luís de Camões.

Arquitetura

Falcão e Cunha, 1959
Benoliel de Carvalho, 1977
Sanchez Jorge e Duarte Nuno Simões, 1994
Manuel Ponte, 1998

Arte

Maria Keil, 1959 e 1977
Luiz Ventura, 1994
Nadir Afonso, 1998
Lagoa Henriques, 1998