• Decrease
  • Increase

Lumiar

Ficha Técnica

 

Horário | 2 átrios

Abertura: 06h30

Fecho: 01h00

 

Rede de vendas

Máquinas de venda automática

 

Acessibilidade

A estação dispõe de elevadores e escadas rolantes.

Pode consultar a operacionalidade dos equipamentos através do telefone: 21 3500115 ou do email atendimento@metrolisboa.pt

 

Dados técnicos

Localização

Linha Amarela

Entre a Estrada da Torre e a R. Cordeiro Ferreira.

 

Inauguração

27 de março de 2004

Projeto Arquitetónico: Dinis Gomes

Intervenções plásticas: António Moutinho, Marta Lima, Susete Rebelo

Pontos de interesse

Colégio São João de Brito

Igreja São João Baptista

Instituto Superior de Educação e Ciência

Museu Nacional do Traje

Museu do Teatro

Parque da Quinta das Conchas

Parque Monteiro Mor

Arte na Estação

A estação Lumiar é uma das cinco estações pertencentes ao troço Campo Grande / Odivelas inaugurado em 27 de março de 2004. O projeto arquitetónico é da autoria do Arq.º Dinis Gomes e as intervenções plásticas são da autoria dos Artistas Plásticos António Moutinho, Marta Lima e Susete Rebelo.

A estação insere-se entre a Estrada da Torre, a Rua República do Paraguai e a Rua Cordeiro Ferreira, onde se localizam os seus cinco acessos.

O arquiteto coordenador, Diniz Gomes, referindo-se aos acabamentos em termos globais, destaca que “para além das superfícies verticais dos cais, átrios e circulações, revestidas a azulejo artístico, tudo se desenvolveu no âmbito de materiais já relativamente consagrados para casos semelhantes: calçada de vidraço nos cais, átrios e circulações e tetos pintados”.

Os Artistas Plásticos, António Moutinho, Marta Lima e Susete Rebelo, sublinham que os azulejos foram criados de forma a poderem “revestir toda a estação com uma espécie de pele, que respira, que é orgânica, que pulsa como os seres que nela transporta; que é no fundo, uma representação do fluxo do conjunto de indivíduos interligados no mesmo espaço-sistema, não deixando, ao mesmo tempo, de os personalizar nos seus micro – sistemas individuais e únicos”.

Para obter esse efeito, os artistas procuraram “criar, quer a nível visual, quer de toque, uma textura, uma cintilação de cor em dois níveis de profundidade, tendo isto resultado na conceção de um azulejo com relevo e com diferentes tipologias.”