Arte
Arte nas estações

Arte nas estações

O azulejo é em Portugal uma forma de Arte, usado desde o século XVI de modo original, em revestimentos totais das arquiteturas, transformando o interior de igrejas e palácios e, a partir do século XlX, as fachadas dos prédios.

As primeiras estações do Metropolitano de Lisboa, abertas ao público em 1959, retomaram essa tradição, através de revestimentos desenhados pela pintora Maria Keil, qualificando estes espaços urbanos com a criação artística em azulejo.

Autora quase exclusiva das estações da rede do Metropolitano, até aos primeiros anos da década de 1970, Maria Keil foi pioneira de uma Arte Pública que a partir de 1991 se viria a diversificar, dando início a outro ciclo de vida do Metropolitano de Lisboa, aberto a diferenciadas propostas de arquitetura e de intervenção artística, agora pluridisciplinar, de numerosos autores nacionais e internacionais.
O Metropolitano de Lisboa patrocina assim as Artes ainda com grande preferência pelo azulejo e contribui, pela valorização artística dos seus espaços públicos, para uma maior humanização da cidade de Lisboa.