• Decrease
  • Increase

Quinta das Conchas

Ficha Técnica

 

Horário | 2 átrios

Abertura: 06h30

Fecho: 01h00

 

Rede de vendas

Máquinas de venda automática

 

Acessibilidade

A estação dispõe de elevadores e de escadas rolantes.

Pode consultar a operacionalidade dos equipamentos através do telefone: 21 3500115 ou do email atendimento@metrolisboa.pt

 

Dados técnicos

Localização

Linha Amarela

Rua Luís Pastor de Macedo.

 

Inauguração

27 de Março de 2004

Projeto Arquitetónico: Bartolomeu Costa Cabral, Mário Crespo, João Gomes e Anabela João

Intervenções plásticas: Joana Rosa e Manuel Baptista.


Pontos de interesse

Hospital Pulido Valente

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Quinta das Conchas e Lilases

Arte na Estação

A estação Quinta das Conchas é uma das cinco estações pertencentes ao troço Campo Grande / Odivelas inaugurado em 27 de março de 2004. O projeto arquitetónico é da autoria do Arq.º Bartolomeu da Costa Cabral coordenador de uma equipa que também contou com a colaboração dos Arq.os Mário Crespo, João Gomes e Anabela João.

As intervenções plásticas são da autoria dos Artistas Plásticos Joana Rosa e Manuel Baptista.

A estação está implantada entre a Rua Luís Pastor de Macedo, a Rua Tóbis Portuguesa e a Av. Maria Helena Vieira da Silva, onde se localizam os seus quatro acessos.

Segundo os responsáveis da arquitetura “a estação desenvolve-se em 2 níveis, o piso do átrio e piso do Cais, e tem 3 saídas, duas do lado sul e uma do lado norte”. Referem ainda que “as intervenções plásticas são constituídas por painéis de azulejos artísticos nas escadas, enquadrados por azulejo canelado também de fabrico especial e por três relevos de pedra de formas geométricas formando frisos junto ao teto, no átrio principal e no átrio norte”.

Manuel Baptista foi o artista plástico que realizou “um trabalho de baixos relevos em pedra com tiras entrelaçadas lembrando ritmos dentro do espírito de arte árabe”. Este trabalho inscreve-se ao mesmo tempo num percurso de investigação que o autor vem realizando há algum tempo recorrendo a outros materiais.

O trabalho da artista plástica Joana Rosa foi realizado para estar em contato com o público tendo como suporte o azulejo intitulado “Scribbling and doodling” (Riscos e rabiscos). A artista plástica sublinha que “pelo mundo fora há pessoas que fazem rabiscos todos os dias. Há mesmo maneiras universais tais como roer canetas ou partir fósforos com os dentes.”

Salienta a artista que “riscar e fazer rabiscos é uma das várias actividades partilhadas além fronteiras”.