• Decrease
  • Increase

Odivelas

Ficha Técnica

 

Horário |  2 átrios 

Abertura: 06h30

Fecho: 01h00

 

Rede de vendas

– Máquinas de venda automática

Acessibilidade

A estação dispõe de elevadores e escadas rolantes.

Pode consultar a operacionalidade dos equipamentos através do telefone: 21 3500115 ou do email atendimento@metrolisboa.pt

 

Interface

Rodoviária de Lisboa

 

Dados técnicos

Localização

Linha Amarela

Junto da confluência da Rua José Gomes Monteiro com a Rua Prof. Dr. Egas Moniz

 

Inauguração

27 de março de 2004

Projeto Arquitetónico: Paulo Brito da Silva

Intervenções plásticas: Álvaro Lapa


Pontos de interesse

Igreja Matriz de Odivelas

Mosteiro de S. Dinis

Arte na Estação

A estação Odivelas é uma das cinco estações pertencentes ao troço Campo Grande / Odivelas inaugurado em 27 de março de 2004. O projeto arquitetónico é da autoria do Arq.º Paulo Brito da Silva e as intervenções plásticas são da autoria do Artista Plástico Álvaro Lapa.

A estação está implantada entre as Ruas Prof. Doutor Egas Moniz, José Gomes Monteiro e Almeida Garrett, onde se localizam os seus três acessos.

O Arq.º Paulo Brito da Silva carateriza a sua obra referindo ”como qualquer obra arquitetónica, que só existe após se ter construído, a estação resultou da adaptação, em projeto e em obra, às diferentes soluções de praça e de interface que foram surgindo, até se transformar num paralelepípedo em betão aparente, pontuado por “chaminés” na cobertura”. Estas “chaminés”, sublinha, “constituem um sistema de ventilação natural, dispensando os habituais meios de ventilação mecânica, que também admite luz amarela, vermelha ou azul, conforme a hora, o dia, o mês ou as condições climatéricas”.

A intervenção plástica de Álvaro Lapa, denominada Lâmina, “é um série de estudos aumentados e passados a cerâmica tendo como motivo a representação do corpo propriocetiva e simbólica”. Para o artista “é simbolizado conscientemente, é o devir animal”. Álvaro Lapa insiste sobre a representação porque “a sua presença me garante a evocação do maravilhoso. Nenhuma outra perspetiva me compensa da perda de tal sentido. De constatar que Lâmina é anagrama de Animal”.