Comissão Europeia aprovou ontem, dia 18 de junho, um investimento de 83 milhões de euros do Fundo de Coesão  para apoiar a construção da linha circular do Metro.

De acordo com Bruxelas, a nova linha circular “irá ligar melhor a linha Amarela de Lisboa, que serve a zona com maior densidade de emprego, com a linha Verde”, numa obra que, “uma vez concluída, […] reduzirá os estrangulamentos e os tempos de viagem na área metropolitana da capital portuguesa”. Refere também que o projeto “assegurará uma melhor ligação entre o centro urbano da cidade e a sua periferia, especialmente para as pessoas que se deslocam dos concelhos de Oeiras, Cascais, Almada, Seixal e Montijo para o Cais do Sodré”, destaca a instituição, prevendo um “aumento significativo” da utilização dos transportes públicos no distrito de Lisboa “após a conclusão do projeto, prevista para 2024”.

Em maio, passado, o Metro assinou o contrato para a primeira empreitada do plano de expansão da rede, num investimento de 48,6 milhões de euros.

O projeto prevê a criação de um anel envolvente da zona central da cidade, com a abertura de duas novas estações: Estrela e Santos.

O objetivo é ligar o Rato ao Cais do Sodré, obtendo-se assim uma linha circular a partir do Campo Grande com as linhas Verde e Amarela, passando as restantes linhas a funcionar como radiais – linha Amarela de Odivelas a Telheiras, linha Azul (Reboleira – Santa Apolónia) e linha Vermelha (S. Sebastião – Aeroporto).

Saiba mais sobre a linha circular aqui.