Concluímos em Janeiro a primeira fase de limpeza e remoção de tags e graffitis de todas as estações da rede. Tendo presente que o trabalho realizado não determina a erradicação da presença de tags e grafittis nas estações, é intenção do Metro trabalhar este desafiante projeto de forma contínua e prolongada no tempo.

Como técnica utilizada, recorreu-se, sempre que possível à aplicação de produtos químicos biodegradáveis, seguida de lavagem das superfícies grafitadas com jato de água quente a alta pressão. Quando esta técnica se mostrou insuficiente foi necessário proceder à lixagem, lavagem e pintura das superfície grafitadas.

Estas intervenções ocorreram no interior das estações, ao nível dos átrios e cais, mas também nos acessos ao exterior.

Importa referir que  esta medida não determina uma perseguição ao graffiti. Como é do conhecimento público as estações de Metro são consideradas “uma galeria de arte contemporânea” aberta aos passageiros que escolhem o modo metro para garantir a sua mobilidade em Lisboa. Lamentavelmente os tags ou graffitis que são habitualmente inscritos nas estações, não são uma forma de arte, mas sim de vandalismo do espaço público, facto que levou a Empresa a acionar este plano para mitigar este problema.

Antes

Depois